Somos apresentados aos porcos desde a infância, em livros, desenhos animados e filmes em que muitas vezes eles são personagens complexos e cheios de personalidade.

“Os Três Porquinhos” e “Babe, o porquinho atrapalhado” são alguns exemplos. 

Esses animais costumam ser vistos pelas crianças como fofos e encantadores, mas em algum momento perdemos essa conexão e começamos a associá-los à carne em nossos pratos.

Mas, afinal, como os porcos realmente são na vida real? 

As características dos porcos

Porcos são animais sencientes (entenda o que significa aqui), sociáveis e sensíveis, com capacidades cognitivas e emocionais. Eles gostam de brincar, receber carinho e se aconchegar. 

Na natureza, vivem juntos em pequenos grupos, criam laços e conseguem entender uns aos outros.

Neste artigo publicado no Science Daily, pesquisadores estudaram a vocalização dos porcos e descobriram que eles se comunicam de forma muito mais complexa e diversa do que imaginávamos!

Ainda de acordo com o artigo, os sons emitidos pelos porcos transmitem seus estados emocionais, motivacionais e fisiológicos. Quando sentem medo, emitem guinchos que podem alertar os outros sobre a situação ou oferecer segurança.

As porcas mães costumam construir ninhos para proteger seus filhotes. Após o nascimento, elas criam laços com seus bebês e os amamentam nos primeiros meses de vida.

Muitas pessoas associam os porcos à sujeira devido ao hábito de rolar na lama. Mas você sabia que eles têm esse comportamento para regular suas temperaturas corporais e prevenir queimaduras de sol?

Os porcos, na verdade, são animais bem higiênicos, que gostam de ter suas áreas de defecação afastadas dos locais onde comem e dormem, por exemplo. Comportamento bem parecido ao de outros animais, como gatos, cachorros e até nós, humanos, não é mesmo?

No artigo “Thinking Pigs: A Comparative Review of Cognition, Emotion, and Personality in Sus domesticus”, os autores relatam ter identificado uma série de estudos de cognição, emoção e comportamento que sugerem que os porcos têm traços comportamentais complexos semelhantes, porém não idênticos, a cães e chimpanzés.

Estudos como esses e a nossa própria percepção das capacidades desses animais nos mostram que os porquinhos são seres inteligentes e que merecem respeito e proteção!

A realidade dos porcos

Mesmo sendo seres tão complexos e capazes de sentir dor, fome, medo e alegria, os porcos são alguns dos animais mais explorados na indústria alimentícia.

Na natureza, eles poderiam viver até 20 anos. Infelizmente, na indústria da carne eles são mortos aos 6 meses.

Além disso, é comum que sejam expostos a terríveis condições, como mutilações sem anestesia, choques elétricos, estresse, confinamento em espaços apertados e superlotados, ou em celas de gestação, no caso das porcas mães, e até mesmo agressões, como documentado nesta investigação da Mercy For Animals.

No Brasil, duas investigações da MFA também revelaram o sofrimento dos porcos na indústria.

Se você quer ajudar a mudar a realidade desses animais tão inteligentes e sociáveis, considere uma alimentação 100% vegetal. 

Participe do Desafio 21 Dias Sem Carne e veja como é simples deixar os animais fora do prato e lutar por um futuro mais justo e compassivo para todos!