Cooperação entre Alimentação Consciente Brasil, Humane Society International e prefeitura garantirá que mais de 170 mil estudantes tenham mais verduras, legumes, grãos e frutas no prato 

O município de Salvador assinou hoje (22/3) um acordo de cooperação com as organizações Humane Society International (HSI) e Mercy For Animals (MFA), por meio do programa Alimentação Consciente Brasil (ACB), para lançar o programa Educando para Sustentabilidade nas escolas municipais. A iniciativa impactará mais de 10 milhões de refeições por ano na rede, fornecendo novas, saborosas e saudáveis opções no cardápio de mais de 170 mil estudantes, que terão mais verduras, legumes, grãos e frutas em seus pratos.

As receitas foram desenvolvidas de acordo com as necessidades das instituições e a aceitação de estudantes, considerando também a cultura alimentar da região, a infraestrutura das cozinhas e as resoluções que as instituições devem seguir, de acordo com o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). As instituições participantes são encorajadas a preparar as refeições apenas com ingredientes in-natura e provenientes de formas mais justas de produção, como a agricultura familiar.

(Fotos Marcelo Gandra/Divulgação)

“Fazendo essa inclusão no cardápio de instituições que servem refeições em larga escala, como escolas e restaurantes populares, conseguimos contribuir significativamente para uma mudança sistêmica na cultura alimentar, além de influenciar uma mudança individual de consumo para quem tem poder de escolha sobre sua alimentação”, diz Alice Martins, gerente de Políticas Alimentares do ACB.

As frentes de atuação em políticas alimentares da HSI e do ACB foram criadas para atender as demandas e necessidades de instituições públicas que servem refeições em larga escala. Sem custos para a instituição parceira, essas organizações oferecem o suporte de um time de nutricionistas, chefs e profissionais especializados, com uma consultoria completa para implantação, que inclui: desenvolvimento de cardápio, treinamentos teóricos em educação nutricional e ambiental e treinamentos práticos em alimentação à base de vegetais direcionados para nutricionistas, equipes pedagógicas e de cozinha. Além disso, todos os profissionais do município envolvidos no processo de implantação do programa recebem materiais de suporte de educação nutricional e ambiental impressos e virtuais para apoiar uma implementação de sucesso, que é acompanhada continuamente. 

“O objetivo é viabilizar nos cardápios das escolas municipais a inclusão de uma variedade maior de alimentos vegetais, como frutas, verduras, legumes e cereais, que devem ser a base de uma alimentação saudável, de acordo com as recomendações das principais autoridades nacionais e mundiais no assunto, como o Ministério da Saúde, através de seu Guia Alimentar para a População Brasileira, e a Organização Mundial da Saúde.”, diz Thayana Oliveira, gerente de Políticas Alimentares da HSI.

(Foto Marcelo Gandra/Divulgação)

Além disso, o compromisso ajudará Salvador a alcançar cinco dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU e a alcançar as metas 2, 7 e 26 do Plano de Mitigação e Adaptação às Mudanças do Clima (PMAMC) desenvolvido pelo município de forma intersetorial com atuação de várias Secretarias. Após a implantação do programa em todas as escolas municipais, a cidade receberá o Selo Internacional de Liderança em Saúde e Sustentabilidade, reconhecendo sua liderança e comprometimento em avançar e mitigar questões climáticas por meio de uma alimentação saudável e sustentável.

​​Conforme o secretário da Educação de Salvador, Marcelo Oliveira, o projeto tem o propósito de introduzir na alimentação escolar outros ingredientes mais saudáveis. “A ideia é propor mudanças de hábitos na alimentação dos estudantes. Hoje, no Brasil, sabemos que as crianças, principalmente das camadas mais humildes da população, que é o público alvo da rede municipal de ensino, consomem pouca fruta e verdura, concentrando a fonte de proteína em produtos de origem animal. Então, a nossa proposta é que a gente consiga estimular nossas crianças a formar um paladar mais saudável para o resto de suas vidas”, afirmou.

Para a secretária municipal de Sustentabilidade e Resiliência (Secis), Edna França, o programa atende os objetivos de gestão e será um estímulo para nosso Plano de Mitigação e Adaptação às Mudanças do Clima (PMAMC), que pretende neutralizar as emissões de Gases de Efeito Estufa até 2049 no município. “Além disso, vai proporcionar hábitos alimentares saudáveis entre os alunos, com aumento do consumo de verduras, frutas e outros itens de origem vegetal”, ressaltou.

Segundo estimativas da metodologia científica utilizada pelo ACB e pela HSI para o impacto ambiental, anualmente, a parceria contribuirá para que cerca de:

50 mil toneladas de soja deixem de ser destinadas para pecuária, o suficiente para alimentar cerca de 1,3 milhão de adultos durante 1 ano;

16 mil hectares de florestas sejam preservados, o equivalente a 16 mil campos de futebol;

400 milhões de litros de água sejam economizados, o equivalente a mais de 3 milhões de banhos de 15 minutos;

75 mil toneladas de CO2 não sejam emitidas, o equivalente a cerca de 575 milhões de km não rodados de carro.

Para saber mais sobre o ACB e a HSI e conhecer os recursos oferecidos gratuitamente para as instituições públicas, acesse alimentacaoconsciente.org e carnesdaterra.org.