Com 52 companhias avaliadas na América Latina, 2ª edição do Monitor de Iniciativas Corporativas pelos Animais (MICA) foi lançada nesta terça-feira (19) pela Mercy For Animals

 

A maioria das empresas alimentícias e hoteleiras mais influentes da América Latina ainda precisa progredir em compromissos para reduzir o sofrimento de animais em suas cadeias de suprimentos de ovos. É o que apontou a 2ª edição do Monitor de Iniciativas Corporativas pelos Animais (MICA), promovido pela Mercy For Animals (MFA). O novo ranking, que analisou 52 empresas, foi lançado nesta terça-feira (19). 

Pela primeira vez no relatório, duas empresas figuram na categoria Ouro, quando 100% da cadeia de fornecimento de ovos é proveniente de galinhas livres de gaiolas: BRF e Danone. Outro destaque é que cinco companhias subiram de posição no ranking em relação ao ano anterior: Subway, Accor, Barceló, Bimbo e Cencosud.

Por outro lado, grande parte das empresas – 44, que corresponde a 84,6% das analisadas – ainda tem passos a avançar. O MICA registra 15 companhias na categoria Amarela (assumiram compromisso, mas têm pouco ou nenhum progresso), 18 na Laranja (não fizeram progresso ou demonstram certa transparência mesmo sem compromisso público) e 11 na Vermelha (não têm compromisso público nem relataram avanços publicamente).

“É importante que as empresas façam avanços significativos para alcançar suas metas e relatem publicamente seu progresso, a fim de demonstrar transparência na gestão de suas operações e seu interesse em manter o público consumidor informado”, destaca Cecilia Valenza, gerente de Relações Corporativas da MFA no Brasil.

Lançado em 2021, o MICA ampliou nesta 2ª edição o número total de empresas monitoradas de 34 para 52. O foco das primeiras edições do monitor é o anúncio e o cumprimento de compromissos por empresas alimentícias e hoteleiras da América Latina para eliminar o confinamento de galinhas em suas cadeias de suprimentos de ovos. 

 

Falta de equidade também desafia

Outro ponto de atenção trazido pelo novo relatório do MICA é a falta de equidade nas políticas de bem-estar animal internacionais de certas empresas. Muitas delas têm tratado o tema de forma desigual ao comprometer-se ou avançar somente em determinadas regiões onde operam. 

É o caso, por exemplo, do grupo Mars, responsável por marcas como M&M, Snickers e Twix, que não tem compromisso para a América Latina enquanto já se comprometeu em ter uma cadeia de fornecimento com 100% das galinhas livres de gaiolas na Europa e em países como Austrália, Estados Unidos e Canadá. “As preocupações com o bem-estar animal e a segurança dos alimentos não terminam nas fronteiras dos países do Norte global. Excluir consumidores e animais do Sul global das questões de responsabilidade social corporativa não parece justo. É urgente que as empresas olhem para esse tema de forma global”, ressalta Cecilia.

 

PRINCIPAIS RESULTADOS DO MICA 2022

Categoria Ouro (100% do fornecimento de ovos provém de galinhas livres de gaiolas)

BRF e Danone

Categoria Prata (mais de 90%)

Costco

Categoria Bronze (mais de 30%)

Arcos Dorados, GPA, JBS e Subway 

Categoria Verde (mais de 15%)

Carrefour

 

SOBRE O MICA

O MICA é uma ação do Departamento de Políticas Corporativas da MFA, que direciona seus esforços para mobilizar empresas a anunciarem e executarem prontamente políticas que visem reduzir o sofrimento dos animais na indústria. Só no Brasil, mais de 160 companhias já anunciaram compromissos para banir integralmente de suas cadeias de suprimentos o confinamento de galinhas em gaiolas, a maioria até 2025. 

A MFA entra em contato com as empresas avaliadas no MICA e encoraja que reportem publicamente o avanço que fizeram em suas transições. Como o levantamento é realizado anualmente, outros negócios poderão ser monitorados e os atuais terão a oportunidade de melhorar suas posições no ranking.