Cristina Mendonça assumiu a direção executiva da Mercy For Animals (MFA) no Brasil. A organização sem fins lucrativos, que completa seis anos de atuação no país em novembro, é uma das maiores do mundo em defesa do fim da exploração animal em fazendas industriais e na indústria da pesca. 

Com mais de 20 anos de experiência em sustentabilidade e iniciativas de desenvolvimento de impacto global, incluindo participação no Grupo C40 de Grandes Cidades para a Liderança Climática, Cristina vai liderar a estratégia da MFA visando engajar a população brasileira e estabelecer parcerias nacionais e internacionais em busca de um sistema alimentar mais compassivo e sustentável, ou seja, livre de exploração animal.

“Estou entusiasmada em juntar-me à Mercy For Animals no Brasil visando eliminar a exploração de animais em fazendas industriais. Esta ação tem o potencial de promover o bem-estar e a saúde da população e gerar benefícios ambientais e econômicos ao país. Um novo paradigma, de profunda conexão com todos os seres, em resposta aos desafios das crises climática, ambiental, sanitária, social e econômica que vivemos”, destaca a diretora.

Entre as prioridades dela, estão tornar a alimentação vegetal ainda mais acessível e inclusiva. “E, enquanto apoiamos processos de transição alimentar, trabalharemos de forma colaborativa com a indústria visando banir algumas das práticas mais cruéis aos animais presos no sistema, como o confinamento de galinhas em gaiolas e a exportação de animais vivos. Faremos isso mobilizando a sociedade e juntando esforços com empresas, produtores de alimentos e diferentes esferas de governo para a transformação do atual  sistema de produção alimentar, que é insustentável”, afirma.

Cristina acredita que a maneira como as pessoas se relacionam com os animais, com a sociedade, a cultura, a natureza e com elas mesmas é vital para superar as crises que o mundo enfrenta hoje. Daí a importância do engajamento de indivíduos e de buscar sinergias com organizações e movimentos ambientais e sociais para uma mobilização em massa.

“Mudar a maneira como produzimos e consumimos alimentos para lidar com a maior causa de sofrimento no planeta – a exploração de animais para consumo – é uma das intervenções de maior impacto para desencadear efeitos positivos para as gerações presentes e futuras. Em essência, é um esforço conjunto para levar o potencial da humanidade ao máximo. Sinto-me honrada em fazer parte dessa jornada de aprendizagem, transformação e co-criação”, destaca.