Um caminhão que transportava 96 porcos para um abatedouro no interior de Santa Catarina caiu em uma ribanceira na manhã do dia 15 de agosto de 2022. Muitos animais morreram no acidente. Outros ficaram gravemente feridos.

Imagens chocantes capturadas após o acidente mostram corpos de animais espalhados ao redor da área e animais ainda com vida presos em meio às ferragens retorcidas, assim como a operação aparentemente improvisada para removê-los do local.

Um guindaste foi usado para içar os animais do fundo da ribanceira para a carreta de outro caminhão, estacionado na beira da estrada. De forma indiscriminada e truculenta, animais mortos eram içados junto a animais feridos, no mesmo cesto. A todo momento, era possível ouvir os gritos de agonia e desespero de porcos feridos e assustados.

Acontecimentos como esse, infelizmente, são bastante comuns no país, mas passam despercebidos pela sociedade, exceto quando impactam gravemente o trânsito como o ocorrido em 2015 no Rodoanel em São Paulo. Apenas em 2022, foram noticiados 12 acidentes envolvendo caminhões carregados com porcos nas regiões Sul e Sudeste, onde se concentra a criação industrial de porcos no Brasil. Veja o levantamento abaixo:

 

Acidentes envolvendo caminhões carregados com porcos (jan. a ago. de 2022)

 

Data e link para acesso da notícia

Estado
31/01/2022 Paraná
03/03/2022  Minas Gerais
07/03/2022 Santa Catarina
25/03/2022 Paraná
02/04/2022  Minas Gerais
16/05/2022 São Paulo
18/05/2022 Paraná
27/05/2022 Rio Grande do Sul
25/06/2022  Santa Catarina
11/07/2022  Santa Catarina
03/08/2022 Paraná
15/08/2022 Santa Catarina

 

Além do perigo nas estradas, os animais costumam enfrentar longas jornadas das granjas aos abatedouros, sem água e comida, amontoados uns sobre os outros em meio a fezes e urina. Condições climáticas extremas, como chuvas fortes e frio e calor intensos, podem tornar a viagem ainda mais difícil de suportar.

Seja nas granjas industriais, nos abatedouros ou nas estradas durante o transporte, os animais explorados para consumo passam por intenso sofrimento físico e mental. Porém, isso pode mudar. 

 

Ao adotar uma dieta baseada em plantas, estamos contribuindo para criar um sistema alimentar mais compassivo, justo e sustentável. Considere fazer parte da mudança. Que possamos juntar esforços nesta jornada de cocriação!