Em poucos dias começa o Yulin Festival, maior festival de carne de cachorro do mundo

No próximo dia 21 começa, na China, o Yulin Dog Meat Festival, um festival que gira em torno de uma "iguaria": a carne de cachorro. O festival acontece todos os anos, desde 2009, na cidade de Yulin, e vai até o dia 30 de junho. Nesse período, espera-se que pelo menos 10 mil cães sejam abatidos para se tornarem carne.

Apesar de o festival ser relativamente recente, o consumo de carne de cachorro é antigo na China — começou há cerca de 400 anos. Comer carne de cachorro é legal na China, assim como comer animais tão ou mais inteligentes que os cães, como por exemplo porcos, é permitido nos países ocidentais. Entre 10 e 20 milhões de cachorros são abatidos todos os anos para consumo humano. Os chineses acreditam que consumir carne de cachorro traz boa sorte e saúde, e algumas pessoas ainda relacionam o produto a uma melhora na performance sexual masculina.

Foto: Animals Asia

Foto: Animals Asia

Foto: Animals Asia


No começo desse ano, fotos feitas por Eko Siswono Toyudho rodaram o mundo mostrando a chocante realidade dos cães explorados na Indonésia. O fotógrafo contou que os cães são comprados por um valor equivalente a no máximo R$60, acorrentados e alimentados com arroz em uma "casa de quarentena". Ele testemunhou cachorros sendo espancados até a morte com um martelo e deixados para trás sangrando até morrer, depois picados e servidos em restaurantes.

Veja com seus próprios olhos:


De grandes resgates de cachorros a campanhas envolvendo celebridades, os ativistas têm feito forte pressão e denunciado as terríveis condições em que esses cães passam suas vidas e são mortos, e também a falta de higiene na produção da carne. Porém, ainda não foi possível banir a carne de cachorro, seja na China ou em outros países, como a Indonésia e Coréia do Sul.

Talvez a lição mais importante desse festival seja entendermos como nossos hábitos alimentares são construções culturais. É chocante ver que cachorros que tanto amamos são cruelmente mortos ao invés de receberem o carinho que merecem, mas os animais que exploramos para alimentação no Ocidente são tão inteligentes e sensíveis quanto eles.




Uma pequena mudança em nossos hábitos alimentares é capaz de libertar diversos outros animais de uma vida de exploração e crueldade. Vacas, porcos, galinhas e peixes são animais inteligentes e sociáveis, que sentem dor e medo assim como os cães. Todos os animais querem e merecem viver.

Se você acha que todos os animais merecem ser livres igualmente, considere tirar carne, leite e ovos do seu prato. Clique aqui para começar agora.