Você sabe o que realmente acontece por trás da produção de ovos?

As galinhas são animais ativos e muito curiosos com o ambiente ao seu redor. Elas vivem em grupos e as mamães cuidam muito bem de seus pintinhos, ensinando uma grande variedade de conhecimentos e protegendo todos eles embaixo de suas asas.

Foto: Reprodução

As galinhas adoram ciscar, procurar comida pelo chão, tomar banhos de areia, bater suas asas e dar pequenos voos. Elas também adoram dormir empoleiradas, onde normalmente os lugares mais altos são para as galinhas e os galos com mais autoridade no grupo.

Desconsiderando tudo isso, a indústria buscou formas de confinar esses animais e tratá-los como máquinas para aumentar a produção de ovos e reduzir seu custo.

Foto: Reprodução

Pintinhos machos já têm seus destinos traçados nos primeiros dias de vida: eles são mortos e descartados, pois, como não botam ovos, a indústria não vai precisar deles. Já as pintinhas fêmeas nascem sem a segurança e a proteção que teriam de suas mães.

Ainda pequenas, as galinhas passam pela prática de debicagem, um procedimento doloroso de corte do bico. O objetivo é evitar que se machuquem no futuro, devido ao estresse de estarem confinadas em ambientes superlotados e carentes de elementos essenciais.

No Brasil, cerca de 95% da produção de ovos é feita em sistemas de gaiolas. Nesses sistemas, cada galinha tem um espaço minúsculo para passar a maior parte de sua vida. Para você ter ideia, cada galinha tem um espaço menor que o de uma folha A4. Não há condições para que esse animal realize comportamentos naturais da sua existência.

Foto: Investigações

Elas passam a vida em gaiolas de metais, sem nem conseguir pisar no chão, o que causa lesões em suas patas e enfraquecimento de ossos. Nas gaiolas, não há espaço para abrir suas asas ou para caminhar. Além disso, as galinhas são forçadas a dividir o espaço com várias outras galinhas.

Só no Brasil, existem mais de 150 milhões de galinhas atualmente confinadas em gaiolas. O antepassado direto das galinhas atuais, o galo-banquiva, poderia viver até 17 anos na natureza, onde colocaria cerca de 24 ovos por ano. Porém, na indústria contemporânea, as galinhas são forçadas a produzir mais de 300 ovos em seu ciclo de vida, que dura apenas cerca de 1 ano e meio. Após esse período, elas são mortas, já que começam a botar menos ovos.

Foto: Reprodução


As galinhas são um dos animais que mais sofrem na indústria, mas isso está mudando. Devido a essa situação, vários estados dos Estados Unidos e países da Europa já baniram o uso de gaiolas na indústria de ovos. Além das grandes empresas em todo mundo que estão se comprometendo a não utilizar ovos de sistemas que confinam galinhas em gaiolas, incluindo mais de 100 grandes líderes no Brasil como Carrefour, Walmart, Forno de Minas, Bunge, Barilla, McDonald’s e Bob’s.

A proibição de gaiolas é um grande passo na caminhada para acabar com o sofrimento desses animais, já que essa mudança reduz drasticamente o sofrimento diário das galinhas. Por isso, vamos continuar lutando para banir as gaiolas de vez!

Clique aqui para conferir o site da nossa campanha ativa do Pão de Açúcar e saiba como você pode colaborar. Você pode nos ajudar a mudar a vida dessas galinhas, participe das ações!