Uma importante reflexão sobre Brumadinho

Parece que estamos revivendo um pesadelo, mas a realidade é muito mais dura do que nossa imaginação é capaz de criar.

Há alguns dias atrás, Brumadinho era uma pequena cidade na região de Belo Horizonte (MG), reconhecida por Inhotim e pela beleza natural. Agora, da noite para o dia, a mina de Brumadinho passou a ser conhecidas pelos brasileiros... em meio à lama e dor.

Essa Mina armazenava os resíduos dos dias de mineração que, no último dia 25, invadiram a cidade. Os rejeitos tomaram as ruas da cidade afundando em lama funcionários da mineradora, moradores, turistas, muitos animais e tudo que se encontrava no caminho. Numa questão de segundos, centenas de vidas desapareceram debaixo de metros de lama e angústia.

E não conseguimos esquecer o sentimento de que já vivemos isso antes…

Ninguém era capaz de prever que algo tão horrível estaria prestes a acontecer. De novo. Mas não tem como nos esquecermos de Mariana, das 19 vidas humanas, dos mais de 7.000 peixes mortos na primeira semana, da sequela que toda a natureza da região ficou, das vidas levadas pela lama… e, novamente, a lama em Minas.

Nem em muitos anos conseguiríamos esquecer... mal cicatrizou, a ferida já abriu novamente; é uma tragédia que se soma a outra. Será que aprendemos algo de verdade… quando o desespero se repete?

Vemos, mais uma vez, medidas emergenciais sendo tomadas e especialistas reiterando que isso pode não ser o suficiente… nem a curto, muito menos a longo prazo. Ainda vamos, como país, demorar muito tempo pra sair dessa lama em que nos colocamos.

Uma das voluntárias que está ajudando os resgatados descreveu o que a televisão não mostrou falando sobre “gritos, crianças chorando e fogo.” De verdade, a gente não consegue nem imaginar o que eles estão vivendo e, com toda essa informação que adquirimos no final de semana, existe um senso de surrealismo para quem tenta voltar para sua vida normal, ainda mais quando se conhece alguém na cidade.

A pergunta “Quantos você perdeu?” está se tornando cada vez mais comum e perdendo o impacto que deveria ter numa cidade com menos de 40 mil habitantes.

Em meio às notícias que nos assolam, vimos que duas vacas ficaram presas agonizando na lama. As imagens chocaram o país. Os policiais civis e militares e bombeiros civis impediram a população de tomar alguma ação, porque o pesadelo não acabou: ainda há o perigo do rompimento de uma nova barragem.

Mas empatia é um assunto complicado de racionalizar, né? Mesmo com suas vidas em risco, um grupo de moradores se juntou aos ativistas para ajudar no resgate. É que no momento de dor, a gente descobre que somos muito mais próximos do que achávamos.

Se esta fosse uma situação hipotética, inventada, seria prudente terminar com a certeza de um final feliz, mas a verdade é que não sabemos do futuro das pessoas ou animais de Brumadinho. Sabemos de Mariana, que o mundo estava tentando esquecer, e lá vemos que um simples “final” está longe de chegar…

O sofrimento das pessoas e animais de Brumadinho é devastador, e fica difícil imaginar o que sentiríamos se estivéssemos em seu lugar, abalados por uma tragédia criminosa e inseguros se teríamos um futuro; e isso só fortalece a nossa vontade de tornar o mundo melhor. Enquanto você lê este texto, cerca de 45.000 animais são covardemente mortos em granjas, fazendas e abatedouros em todo o país, longe das câmeras da televisão e da nossa atenção. Além do sofrimento sobre o qual a TV nos informa, como crimes ambientais deste tipo, é importante não nos esquecermos da enorme violência que acontece a cada segundo, longe dos nossos olhos.

É muito triste, mas a realidade é que as minas de Minas Gerais e suas barragens nos geram total impotência. Mas, quando falamos de mudar o mundo para os animais, a decisão está em nossas mãos! Podemos começar a mudar nossos hábitos e adotar uma alimentação mais compassiva baixando o Guia Vegetariano Gratuito.