O mineiro que está revolucionando o restaurante da família, Patuscada, com uma feijoada vegana

Diego Viana nasceu com a gastronomia no sangue: a sua família tem um histórico forte com a gastronomia desde o avô até os pais. Atualmente, o responsável por toda a operação do restaurante da família, o Patuscada, não só encontrou o seu amor pela comida, como também está revolucionando o cardápio agora que virou vegano. Inclusive a Feijoada Beneficente ganhou uma versão vegana cujo lucro será doado para a causa animal:


Diego não queria seguir no ramo da gastronomia quando era mais novo, pois não gostava de cozinhar, mas o Patuscada sempre fez parte da sua história de vida:
A lembrança mais legal que tenho daqui talvez foi quando eu e minha irmã ganhamos um cachorro, o Popó! Foi aqui no restaurante que ele chegou e viemos buscá-lo. Eu me lembro exatamente de ficar o final da tarde todo brincando com ele na porta do restaurante, acabamos jantando aqui. Não tinha esta memória tão viva quanto agora, e nem sabia que ela era uma memória tão alegre. Que delícia lembrar disso! O Popó foi um cachorro muito iluminado na minha vida e nós dois tivemos uma relação muito próxima. Hoje eu tenho ele tatuado no meu braço, pra lembrar dele todos os dias!
Quando ele foi morar sozinho é que passou a repensar sua relação com comida e a experimentar muito mais na cozinha... até que bateu a vontade de assumir o restaurante da família!

O Patuscada completa 17 anos em março deste ano e há 4 anos ele gerencia tudo com a mãe e a esposa. Os funcionários que o viram crescer hoje são amigos de trabalho e o acompanharam em uma das maiores mudanças de sua vida: a sua transição para o veganismo.

Diego já tinha vontade de parar de comer carne, até que o médico recomendou, após um exame, a redução da carne vermelha, embutidos, enlatados e outros. Essa era a motivação que faltava!

No dia seguinte, ele, que é muito autodidata, resolveu ver todos os documentários possíveis e comprar todos os livros que encontrava pela frente. Em 3 meses, foi o primeiro do seu círculo de amizades a virar vegano:
Aos poucos, todos foram entendendo a diferença que a mudança da alimentação fez no meu corpo, na minha energia e principalmente na minha saúde. E hoje em dia todos me apoiam muito!
Assim, ele entrou num dilema grande entre o seu estilo de vida e o público do Patuscada. Conforme ia estudando as possibilidades em Minas Gerais, viu que, mesmo na capital, ainda faltavam opções para esse público que não para de crescer.

No início, o menu separado afastou o público que ainda tinha preconceito com o termo “vegano”; mas, quando eles decidiram misturar as opções pelo cardápio, o interesse pelos pratos sem ingredientes de origem animal foi crescendo.

Uma boa oportunidade para trazer o assunto para a mesa!

Com o tempo, as refeições veganas foram ficando mais elaboradas e empolgando toda a equipe. “Hoje eu acredito que somos uma referência pois nós nos preocupamos com os veganos e temos um carinho super especial com as nossas criações”, comenta Diego.

Um dos carros chefes, a feijoada tradicional dos sábados com música ao vivo, não ficou de fora e já ganhou uma versão vegana com a maravilhosa linguiça vegetal ou o tofu defumado delicioso. O objetivo de 2019 é difundir ainda mais o veganismo e fazer a venda da feijoada vegana ultrapassar a “tradicional”, para as pessoas entenderem que podem adaptar seus hábitos sem causar sofrimento e reduzir o impacto ambiental que o consumo de carne traz,

O Diego quer passar uma mensagem para os veganos:
É muito importante olharmos para todas as empresas que estão se preocupando com o público vegano. O fato de sermos um restaurante com 16 anos de história faz com que uma transição de padrões e de consumo tenha que ser feita a longo prazo, de forma mais gradativa, pois está diretamente relacionado com a sobrevivência da empresa e de todas as famílias que dependem desta empresa para viver. Por este motivo, eu acho extremamente importante valorizarmos as pequenas ações e fazer com que o consumo dessas opções vá sempre crescendo, mesmo que de forma mais lenta.
A preocupação agora é com o aumento da demanda, para expandir ainda mais as opções veganas do cardápio, para que as pessoas entendam que “comida tradicional mineira” pode ser exatamente o que é pro Diego: “comida de vó, aquela comida caseira, farta e feita com muito amor.”

E se você quer fazer parte dessa revolução, te convidamos a conhecer o Desafio 21 Dias Sem Carne, que vai te ajudar com muitas informações, dicas e apoio de nutricionista.