Canudinho não é o real problema: as redes de pesca são 46% de todo o plástico do oceano

Há um movimento crescente contra o uso de canudos descartáveis ​​como forma de reduzir a quantidade de plástico no oceano. Porém, embora este seja um esforço válido para ajudar o planeta, não podemos deixar de salientar que a grande maioria do plástico nos nossos oceanos vem não de canudinhos, mas de equipamentos de pesca abandonados.

Não estamos dizendo que você não deve parar de usar canudos de plástico e conscientemente reduzir a quantidade de plástico em sua vida. Mas vamos ser estratégicos sobre isso: a melhor forma de defender o meio ambiente nesse caso é boicotar a indústria da pesca comercial e parar de comer frutos do mar. Vamos ver os fatos.

Uma pesquisa feita por cientistas da Ocean Cleanup, uma organização que trabalha para desenvolver tecnologias para redução de plástico no oceano, descobriu que pelo menos 46% do plástico na "Ilha de lixo do Pacífico", um redemoinho flutuante do tamanho da França, vêm de redes de pesca.

Vale a pena ressaltar que a maior parte do resto é composta por outros equipamentos utilizados por essa mesma indústria. A World Animal Protection revelou que 640 mil toneladas de equipamentos perdidos poluem os oceanos a cada ano.

Mas o problema vai muito além da poluição. “Redes fantasmas”, por exemplo, são um perigo para os habitats e para a vida marinha. A indústria da pesca está fazendo com que mais de 100 mil baleias, golfinhos, focas, tartarugas e aves marinhas morram agonizando todos os anos por causa de equipamentos de pesca descartados nos oceanos, de acordo com um novo relatório publicado no jornal Independent.

No início deste ano, imagens perturbadoras de centenas de animais mortos capturados em uma rede de pesca comercial abandonada na costa das Ilhas Cayman foram divulgadas. A rede provavelmente ficou à deriva no Mar do Caribe por meses, prendendo e matando quase todos os animais que cruzaram por ela.

Ademais, o consumo humano de frutos do mar é responsável pela morte de incontáveis ​​tubarões, baleias, golfinhos, tartarugas marinhas e botos — além, é claro, dos peixes efetivamente consumidos. O National Journal estima que cerca de 20% de todos os animais capturados em redes de arrasto comerciais são "capturas acessórias", ou seja, animais indesejados.

Vídeos recentes divulgados pela Mercy For Animals, SeaLegacy, Sharkwater e Turtle Island Restoration Network revelam como os animais marinhos — incluindo golfinhos, leões marinhos e aves marinhas — são rotineiramente capturados e mortos nas redes de deriva da indústria pesqueira comercial. Os investigadores documentaram que os animais foram desmembrados, furados com ganchos e deixados para sufocar lentamente a bordo dos barcos na costa da Califórnia.

Veja por si mesmo.


Você pode ajudar a proteger a vida marinha. Além de excluir os canudos de plástico da sua vida, que tal ir além? A melhor coisa que podemos fazer para ajudar a vida marinha e o planeta é deixar os peixes fora de nossos pratos e mudar para uma dieta vegetariana compassiva.

A gente te ajuda! Clique aqui para saber como começar. E, aqui, listamos receitas veganas ótimas para você não sentir falta dos frutos do mar.